Tem dúvidas ou sugestões pra me dar? Envie por esse formulário ao lado que eu faço questão de te responder pessoalmente 😉

Comentários

comentários

Você ainda comete esse erro básico que detona a sua autoconfiança? Saiba como acabar com isso de forma simples de uma vez por todas.

Você ainda comete esse erro básico que detona a sua autoconfiança? Saiba como acabar com isso de forma simples de uma vez por todas.
28 de agosto de 2015 Erika Mendel

Ruminação é um processo que alguns animais (os ruminantes) fazem para completar o ato de digerir. O processo consiste em trazer o alimento algumas vezes de volta à boca para finalizar o processo da digestão.

A ruminação autocentrada é parecida à esse processo, onde as pessoas trazem mentalmente e constantemente à tona, de forma desnecessária, passível e infindável, as situações desafiantes e dificultosas. O objetivo seria o de meditar sobre os significados, causas e consequências dos sentimentos e problemas. Grande erro! Focou, ferrou!

Durante muito tempo, no âmbito terapêutico, achou-se que essa uma forma de encontrar a luz no final do túnel. Acreditava-se que concentram-se no âmago da questão, encontrar-se-ia a solução, mas hoje…. advinha? Essa é simplesmente uma forma de afastar a felicidade.

As pesquisas atuais mostram que, as pessoas que ruminam quando tristes e perturbadas, têm mais probabilidade de se sentirem impotentes, autocríticas e pessimistas com tendências negativas. Esse ato tende a conservar ou piorar a tristeza estimulando pensamentos negativos que impedem que as pessoas resolvam os problemas e as impedem de ter novas ideias.

 E o que dizer das comparações sociais?

A primeira coisa que você precisa aprender é que felicidade e inveja são convivem entre si dentro de você.

Não sei se você já assistiu um filme, chamado  Amor por contrato, com Demi Moore e David Duchovny como protagonistas. Bem, o filme mostra uma típica família americana de mudança para um condomínio de luxo. Eles são os Jones, modelo de felicidade perante os vizinhos. Sempre com um sorriso no rosto, adoram ostentar seus bens — do carrão último tipo ao celular de novíssima geração. Logo,  logo, o espectador descobre a verdadeira trama por trás de tanta perfeição: os Jones só fingem ser uma família mas na verdade trabalham para uma empresa de marketing cuja especialidade é provocar o desejo de consumo nas pessoas à volta deles. A coisa vai tão fundo que um dos vizinhos acaba se suicidando, ao se comparar constantemente com aquela pseudo família perfeita.

E como se avaliou isso em laboratório?

Foram feitos estudos com dois grupos de pessoas:  O primeiro grupo eram de pessoas que se diziam felizes. O segundo grupo eram de pessoas que se diziam e infelizes.

Os cientistas colocaram as pessoas, de uma em uma, ao lado de uma outra ao lado de uma outra pessoa, que era na verdade um dos pesquisadores, mas a pessoa que estava sendo avaliada não sabia disso, ela pensava que aquele outra pessoa também estava sendo avaliada.

A instrução era que ambas resolvessem cartões com anagramas.

Cada vez que uma das duas pessoas resolvesse um cartão com anagramas, receberiam um novo cartão, que estavam numerados. Desta forma, a pessoa que estava sendo testada saberia a evolução do trabalho da outra pessoa, pois tratava-se de uma numeração única nos cartões que ambos compartilhavam.

Depois de terminar a tarefa de solucionar os anagramas, os participantes felizes se sentiram bem dispostos pois, afinal de contas, haviam solucionado as questões que haviam sido propostas a eles!

Por outro lado, as pessoas infelizes pensavam menos em si próprias e tinham sentimentos tristes e de frustração por saber que a outra pessoa ao lado havia se saído melhor.

A conclusão é que: quanto mais feliz é a pessoa, menos atenção ela presta em como os outros ao seu redor estão se saindo.

Pílulas de Felicidade

A pílula eu vou te dizer agora pode até parecer simples demais,  pode até parecer óbvio demais,  e  pode ser que você a subestime,  mas ela é muito poderosa. A tática é de distrair-se.  Você pode se distrair se com atividades nas quais você se sinta mais feliz, em que você tenha calma, e ache divertido.

Quando vierem esse tipo de pensamentos, você pode ler algo construtivo, assistir algum programa que possa lhe pareça engraçado, ouvir algum cantor que você curta. Quem sabe, convidar alguém para conversar.  Exercício físico também é uma boa pedida.  Essas atividades produzem emoções positivas e essas emoções positivas trazem recursos e capacidades que vão te ajudar a solucionar aquilo que tanto te aflige.

A outra forma que eu vou te ensinar agora é buscar fortalecer a sua identidade e o seu senso de autoestima.  Você pode buscar algo novo para aprender pois isso aumentará sua autoconfiança.  Você pode iniciar a prática de Biodanza, cujo objetivo principal é fortalecer a identidade e aumentar a autoestima.

Beijos e até a próxima!

Erika

Comentários

comentários